Como o uso de novas tecnologias pode diminuir os custos de produção no campo

Como o uso de novas tecnologias pode diminuir os custos de produção no campo

Saiba por que a transformação digital da agricultura pode trazer lucros mais expressivos aos produtores.

Durante a última década, observamos um crescimento acelerado da inclusão de novas tecnologias no nosso dia a dia. O impacto proporcionado pela propagação da internet e suas possibilidades em diversos setores da economia é visível.

No campo, não é diferente. A transformação digital já chegou e ganha cada vez mais força com aplicativos, softwares para gestão, automação e informatização de processos.

A implementação de tudo isso tem dois objetivos principais: diminuir os custos da produção e maximizar os resultados, sem diminuir a qualidade dos produtos.

As novas tecnologias têm apoiado as mais variadas culturas e a cafeicultura não fica de fora. E você, sabe bem o potencial dessas ferramentas na sua produção agrícola e capacidade de gestão? 

Uma coisa é certa: investir em tecnologia da informação e utilizar dados do negócio de forma eficiente será crucial para o sucesso no campo.

Café: o protagonista do mercado mineiro

Principal produto da agricultura mineira, o café faz sucesso no Brasil e no exterior. De acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), na safra de julho de 2015 a junho de 2016, o país exportou 35 milhões de sacas do produto, gerando uma receita de US$ 5,3 bilhões.

Até o final de 2016, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra brasileira deve ser de 49,64 milhões de sacas. Por enquanto, os maiores ganhos de produtividade na comparação com 2015 foram observados em São Paulo (+43,7%), Espírito Santo (+28,3%) e Minas Gerais (+25%).

Em MG, o destaque ficou por conta das regiões do Sul de Minas e do Cerrado Mineiro, que tiveram aumento de área, de produtividade e regularidade climática, refletindo numa produção superior à safra anterior em 42% e 63% por cento, respectivamente.

E apesar do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais ter recuado 0,6% em termos de reais, foi registrado umcrescimento expressivo de 7,2% do setor agropecuário no estado, em contraste com a variação negativa de 0,3% registrada para o conjunto do Brasil.

Especialista em Tecnologias para o Campo, Maíra Rabelo, da M2 Agro, acredita que o crescimento da cafeicultura será acompanhado de mudanças. “Esse aumento está gerando uma demanda grande por mão de obra braçal, já está extremamente escassa e cada vez mais cara. As novas gerações estão estudando para criar tecnologias e não para trabalhar com serviços braçais, por isso a escassez. Em um futuro próximo, vamos depender cada vez menos de pessoas e ter cada vez mais tecnologias de automação”, comenta.

Mais tecnologia, controle e resultados

Em geral, o produtor tem grandes dificuldades de obter o custo exato da produção por talhão. “Isso dificulta a tomada de decisão estratégica de quando realizar ações preventivas e evitar custos excessivos e desnecessários, por exemplo”, afirma Maíra.

Mas não importa qual seja o tipo de produção, a mão de obra é sempre parte importante dessa conta. Por isso, é essencial que as novas tecnologias para o campo sejam capazes de automatizar processos, fazendo com que os serviços braçais se tornem cada vez menos necessários.

A falta de tempo dos gestores em reunir e analisar dados do campo junto com a imprecisão dos dados de uma planilha manual – sujeita a erros e esquecimentos de preenchimento – fazem com que obter o real custo de produção seja um desafio. Por isso, muitas vezes, o agronegócio acaba seguindo um caminho errado.

Apesar da evidente necessidade, atualmente, ainda é difícil encontrar sistemas no mercado que sejam simples.

“O ideal é ter um programa que faça tudo de maneira objetiva, que precise de pouca capacitação e treinamento. Assim, os gestores podem direcionar seus esforços para questões muito mais importantes podendo analisar dados confiáveis e em tempo real para a tomada de decisões estratégicas”, diz a Especialista em Tecnologias para o Campo.

Soluções a favor do produtor

Cada vez mais, o uso de tecnologias deixa de ser um diferencial para se tornar algo obrigatório para quem quer diminuir os custos da produção e se destacar. A automação de processos facilita o trabalho de toda a cadeia e pode projetar ainda mais os produtores de café e o estado de Minas Gerais no cenário nacional e internacional.

Os produtores que já aderiram às novas tendências conseguem ter uma visão global da produção, otimizando ainda mais o que já funciona bem e corrigindo os problemas que causam atrasos e grandes perdas.

Por isso, apesar de poucos exemplos no mercado de sistemas simples de usar, a tecnologia já está a favor do produtor.

É sim possível encontrar soluções intuitivas para o planejamento agrícola e a operacionalização da produção.

Nesse processo, buscar uma ferramenta que proporcione uma comunicação imediata com toda a equipe em campo, que permita o planejamento e o direcionamento das ações diárias por responsáveis, que gere relatórios referentes às tarefas, safras, máquinas e glebas, e mostre custos de formas simples para identificação de gastos excessivos é obrigatório para quem quer crescer.

Tags: Tecnologia, Negócios, Agronegócio

Fonte: Senior

Informações por e-mail
Preencha o formulário abaixo e aguarde que nossos especialistas entrarão em contato: